top map
Notícias
A PAZ de Aristófanes
Publicada em 26-06-2016
Teatro Clássico no Teatro Romano de Lisboa | 07 a 17 de Julho de 2016 | 21h00 A partir de dia 7 de Julho o teatro clássico regressa ao Teatro Romano de Lisboa.

O Teatro Maizum, em parceria com o Museu de Lisboa — Teatro Romano, irá apresentar, nas ruínas do teatro romano de Felicitas Iulia Olisipo, o intemporal texto clássico do comediógrafo grego Aristófanes, A Paz.

A Paz, com estreia a 7 de Julho de 2016, fará carreira até dia 17 do mesmo mês, em sessões de quinta a domingo às 21h00. O espectáculo, que agora se apresenta, foi precedido por uma apresentação pública, sob a forma de leitura encenada em Maio passado. Agora, Aristófanes regressa ao Museu Teatro Romano dando visibilidade à pertinência e actualidade do teatro clássico e, ao mesmo tempo, divulgando um património único que é o teatro romano de Lisboa.

Sob a direcção de Silvina Pereira, — investigadora do Centro de Estudos Clássicos da Faculdade de Letras da UL, encenadora, dramaturgista e directora artística do Teatro Maizum, — um elenco de 10 actores irá dar vida às personagens de A Paz, num elogio aos tempos de paz e numa denúncia aos grupos de pressão da guerra.

O teatro romano da cidade de Olisipo foi edificado nos inícios do séc. I d.C., possivelmente na época do Imperador Augusto. Abandonado no século IV d.C., permaneceu soterrado até 1798, ano em que as ruínas foram descobertas durante a reconstrução pós-terramoto. Foi objecto de várias campanhas arqueológicas desde 1967 que recuperaram parte das bancadas, da orquestra, da boca de cena e do palco e um significativo conjunto de elementos decorativos.

O Museu de Lisboa – Teatro Romano, inaugurado em 2001, pretendeu dar a conhecer um dos monumentos mais emblemáticos da antiga cidade romana de Felicitas Iulia Olisipo. Devido às várias investigações e intervenções arqueológicas realizadas no seu interior acabaria por fechar em 2013, reabrindo em Setembro 2015.

Em 2016 o teatro clássico regressa ao local que é seu por direito.

 

 

 

 

 

 

 

Texto: Aristófanes | Tradução: Maria Fátima Silva | Dramaturgia e Encenação: Silvina Pereira | Elenco: Augusto Portela, Bibi Piragibe, João Ferrador, José Simão, Leonor Alcácer, Marco Costa, Miguel Vasques e Íris Pereira, João Gamory, Sofia Rodrigues.